Você está aqui:Início-Max

Sobre Max

Esse autor ainda não preencheu quaisquer detalhes.
So far Max has created 25 blog entries.

Alerta: pandemia faz com que pacientes de outras doenças graves abandonem tratamentos

Alerta: pandemia faz com que pacientes de outras doenças graves abandonem tratamentos

Forte queda no número de consultas e exames coloca em risco a vida de pacientes com doenças como câncer, asma e enfisema; com receio de contaminação por covid-19, pessoas evitam ambientes hospitalares e consultórios

Campinas, 6 de julho de 2020 – A pandemia do covid-19, além do grande volume de contaminações e dos quase 60.000 mortos no Brasil, está provocando outro grave efeito na saúde das pessoas.

Estudos indicam que ela provocou uma queda preocupante no número de consultas, exames e cirurgias em pacientes portadores de outras doenças, muitas delas graves, como câncer, enfisema e asma.

Um estudo feito pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica e pela Sociedade Brasileira de Patologia, por exemplo, mostrou que houve uma redução de até 90% nos exames que deveriam ser oferecidos pelos hospitais a pacientes oncológicos, gestantes e doentes crônicos.

Outro levantamento, realizado pela Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista, indicou uma diminuição de 50% nas angioplastias primárias em março e de 70% em abril, na comparação com o mesmo período do ano passado.

O fato é atribuído, entre outras causas, ao próprio isolamento social e ao receio de contaminação em ambientes hospitalares e em consultórios.

“É uma situação preocupante, com graves consequências”, alerta o pneumologista Ronaldo Macedo, que trabalha no Hospital de Clínicas da Unicamp e no Hospital Vera Cruz, em Campinas (SP) e constata essa realidade no dia a dia, principalmente em relação aos portadores de doenças crônicas.

“Se um paciente com asma ou enfisema entrar em crise e não for tratado, ele corre até risco de morte. É uma questão séria, pois ele não pode deixar de fazer o acompanhamento.

Nos hospitais em que trabalho percebo que houve uma queda importante nos atendimentos, de pelo menos 40%”, afirma o especialista, que coordena o Ambulatório de Doenças Pulmonares Difusas/Intersticiais do HC da Unicamp.

Ronaldo Macedo lembra ainda que o inverno que se inicia é o período em que as doenças pulmonares se agravam, o que requer atenção redobrada:

“É nessa época mais fria e seca que o paciente crônico corre maior perigo de descompensação, ou seja, de ocorrência de um evento crítico que requer atendimento imediato. Casos como os de fibrose pulmonar precisam ser seguidos de perto”.

Outro problema provocado pela falta de acompanhamento constante é a dificuldade em se fazer o diagnóstico precoce de doenças como o câncer de pulmão.

“Às vezes a pessoa tem perda de peso e não procura o médico, achando que não é nada sério, mas pode estar desenvolvendo um tumor que poderia ser diagnosticado a tempo”, explica o especialista.

É importante que os pacientes crônicos não deixem de seguir as rotinas médicas e o tratamento adequado e que os sistemas de saúde mantenham o mesmo padrão de atendimento a outras doenças, além da covid-19”, acrescenta o médico.

Sobre o Dr. Ronaldo Macedo

Ronaldo Macedo é pneumologista formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, tendo participado como Observer Fellow no Serviço de Transplante Pulmonar no Toronto General Hospital, no Canadá.

Trabalha há quase 10 anos no Hospital de Clínicas da Unicamp, onde é coordenador do Ambulatório de Doenças Pulmonares Difusas /Intersticiais (ambulatório de referência na Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia), e no Hospital Vera Cruz / Campinas. É também professor da disciplina de Emergências Respiratórias na pós-graduação de Medicina de Emergência do Instituto Terzius. Para saber mais sobre o especialista, visite https://drronaldomacedo.com.br/

Alerta: pandemia faz com que pacientes de outras doenças graves abandonem tratamentos2020-07-10T21:45:55-03:00

Grupo Polar alerta sobre erros comuns na medição de temperatura durante recebimento de cargas termossensíveis

Grupo Polar alerta sobre erros comuns na medição de temperatura durante recebimento de cargas termossensíveis

São Paulo, junho de 2020.

A alta demanda por agilidade no recebimento de cargas termossensíveis (amostras, insumos e produtos diagnósticos, farmacêuticos, veterinários etc.) comumente esbarra na utilização de termômetros inadequados para a medição de temperatura das embalagens térmicas.

O termômetro infravermelho figura entre os modelos mais equivocadamente empregados neste tipo de mensuração – gerando aferições errôneas e, muitas vezes, a rejeição e devolução de itens.

Apesar de sua rápida resposta, a medição torna-se imprecisa, nesta finalidade,

devido às características do equipamento, cores dos cartuchos, além de outras variáveis.

Para auxiliar os processos de recebimento e aferição de cargas térmicas,

o Grupo Polar explica os pontos de vulnerabilidade do termômetro infravermelho e aponta as medidas mais assertivas para essa demanda.

A farmacêutica Nathalia Lima, gerente técnica do Valida Lab (laboratório de qualificações térmicas do Grupo Polar),

destaca que esse tipo de equipamento é mais indicado para processos rápidos, determinar temperaturas de superfícies e de pontos de difícil acesso.

Quando utilizado para medição de temperaturas de embalagens térmicas, o termômetro infravermelho pode sofrer interferências pelo grau de inclinação,

sujidades presentes na lente, distância do objeto aferido, poeira e umidade, falta de calibração, cores dos cartuchos (quanto mais escura, mais quente refletirá), climatização do equipamento depois de uma alteração de temperatura (junção fria), entre outros fatores.

Segundo a especialista, os termômetros mais indicados para esse tipo de aferição são o tipo espeto.

“Eles possuem uma haste que é colocada em contato com os produtos, gerando maior precisão na temperatura mensurada. É importante atentar para que o termômetro não fique em contato com os elementos refrigerantes nem com as paredes das caixas”.

Nathalia ainda recomenda que a abertura das caixas ocorra dentro de câmaras frias, na mesma temperatura dos produtos (entre 2°C e 8°C).

“Quando a embalagem é aberta em temperatura ambiente, entre 15°C e 30°C, a troca de temperatura ocorre de maneira muito rápida e a aferição resultará acima do limite de 8°C”, complementa.

Sobre o Grupo Polar

Pioneiro no setor de cadeia fria no Brasil, o Grupo Polar é especializado no desenvolvimento de soluções específicas que garantem a integridade térmica do produto durante o transporte e armazenamento.

Com quase 20 anos de trajetória, é referência na produção de embalagens térmicas para transporte de medicamentos com temperatura controlada,

gelos artificiais, vestimentas para ambientes controlados e monitores de temperatura.

Para outras informações, acesse http://grupopolar.com.br/.

Grupo Polar alerta sobre erros comuns na medição de temperatura durante recebimento de cargas termossensíveis

Entre em contato conosco.

 

Grupo Polar alerta sobre erros comuns na medição de temperatura durante recebimento de cargas termossensíveis2020-06-26T22:02:13-03:00

Covid-19: Campanha arrecada doações para pessoas com diabetes em situação de vulnerabilidade social

Covid-19: Campanha arrecada doações para pessoas com diabetes em situação de vulnerabilidade social

Campanha ‘Correndo pelo Diabetes Contra a Covid-19’ visa entregar cestas básicas, produtos de limpeza e tiras de medição de glicemia a 1000 famílias de pessoas com diabetes, no Rio de Janeiro.

São Paulo, maio de 2020. Pensando nas pessoas com diabetes em situação de vulnerabilidade social, o projeto Correndo pelo Diabetes (CPD) promove a campanha Correndo pelo Diabetes Contra a Covid-19.

A iniciativa visa fornecer cestas básicas, produtos de limpeza e tiras de medição de glicemia a mais de 300 famílias que enfrentam cotidianamente o desafio de controlar e tratar o diabetes.

Para angariar os recursos necessários, a campanha dispõe de uma plataforma para doações em sistema de crowdfunding social (vaquinha virtual).

E no intuito de incentivar a participação pública, a campanha realiza ainda a venda de camisetas oficiais do projeto, destinando todos os valores recebidos para a compra dos itens para as famílias.

As famílias a serem beneficiadas são atendidas pelos principais serviços públicos de assistência ao diabetes, no Rio de Janeiro.

Elas foram mapeadas por equipes do Hospital Pedro Ernesto, Hospital da Lagoa, Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia Luiz Capriglione (IEDE),

Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (Hospital do Fundão) e Polo de Endocrinologia de São João do Meriti.

Segundo Bruno Helman, fundador do projeto Correndo pelo Diabetes, “essas famílias de pessoas com diabetes já se encontravam em situação de vulnerabilidade, a qual foi agravada por conta da Covid-19.

A partir do auxílio dos profissionais dessas unidades de saúde, mapeamos, inicialmente, 10 famílias de cada.

Porém já ajudamos mais de 60 famílias de todo o estado do RJ. A situação é pior do que pensávamos, por isso precisamos de apoio de todos”.

Covid-19: Campanha arrecada doações para pessoas com diabetes em situação de vulnerabilidade social

Criado em 2017, o CPD é um projeto social com objetivo de estimular a prática de atividade física como ferramenta de promoção de saúde e inclusão de pessoas com diabetes.

Desde 2018, o projeto é apoiado pela Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), sendo incorporado ao Departamento de Diabetes, Esporte e Exercício, em 2020.

Diante do cenário de pandemia por coronavírus, o Correndo pelo Diabetes uniu-se à SBD/Regional Rio de Janeiro (SBD-RJ), Equipe 15 e Colônia Azul para esta campanha de caráter social.

Com a meta de arrecadar no mínimo R$ 20.900, o Correndo Pelo Diabetes Contra a Covid-19 fica no ar até o próximo dia 25 de junho no endereço https://benfeitoria.com/correndodmcontracorona.

Sobre a SBD

Filiada à International Diabetes Federation (IDF), a Sociedade Brasileira de Diabetes é uma associação civil sem fins lucrativos,

fundada em dezembro de 1970, que trabalha para disseminar conhecimento técnico-científico sobre prevenção e tratamento adequado do diabetes,

promover a educação continuada de todos os profissionais envolvidos nos cuidados às pessoas com diabetes, e conscientizar a população a respeito da doença e melhorando a qualidade de vida dos pacientes.

Também colabora com o Estado na formulação e execução de políticas públicas voltadas à atenção correta dos pacientes,

visando a redução significativa da doença no Brasil. Conheça nosso trabalho: www.diabetes.org.br.

 

Covid-19: Campanha arrecada doações para pessoas com diabetes em situação de vulnerabilidade social2020-06-09T17:49:39-03:00

Saúde mental

Saúde mental

A saúde mental e a saúde física são duas vertentes fundamentais e indissociáveis da saúde

Problemas de saúde mental mais frequentes:

Ansiedade;

Mal-estar psicológico ou stress continuado;

Depressão;

Dependência de álcool e outras drogas;

Perturbações psicóticas, como a esquizofrenia;

Atraso mental.

Estima-se que em cada 100 pessoas 30 sofram, ou venham a sofrer, em algum momento da vida, de problemas de saúde mental e que cerca de 12 tenham uma doença mental grave.

A depressão é a doença mental mais frequente, sendo uma causa importante de incapacidade.

Em cada 100 pessoas, aproximadamente, 1 sofre de esquizofrenia.

Quem pode ser afetado?

A o longo da vida, todos nós podemos ser afetados por problemas de saúde mental, de maior ou menor gravidade.

Algumas fases, como a entrada na escola, a adolescência, a menopausa e o envelhecimento, ou acontecimentos e dificuldades,

tais como a perda de familiar próximo, o divórcio, o desemprego, a reforma e a pobreza podem ser causa de perturbações da saúde mental.

Fatores genéticos, infecciosos ou traumáticos podem também estar na origem de doenças mentais graves.

Para manter uma boa saúde mental

Não se isole;

Reforce os laços familiares e de amizade;

Diversifique os seus interesses;

Mantenha-se intelectual e fisicamente ativo;

Consulte o seu médico, perante sinais ou sintomas de perturbação emocional.

Fonte: www.adeb.pt

Saúde mental2020-05-28T20:14:08-03:00

Se exercitando na quarentena

Milhões de famílias estão dentro de casa o dia todo, cuidando de si e dos outros. Nesse momento, é super importante manter o corpo ativo, para preservar a saúde física e mental.

Polichinelo completo

Em pé, com as pernas unidas e os braços estendidos ao lado do corpo, dê um salto para cima.

Ao mesmo tempo, afaste os pés lateralmente e bata as mãos acima da cabeça.

Volte para a posição inicial e depois agache, tocando as mãos no solo.

Salto patinador

Fique em pé com as pernas afastadas na largura do quadril. Dê um salto para a esquerda e fique apoiado apenas na perna de mesmo lado.

Simultaneamente, leve os braços para o lado esquerdo. Agora, salte para o lado direito, apoiando-se somente na perna de mesmo lado e movendo os braços.

Flexão de braços com peito no chão

Fique em posição de flexão de braços, com as mãos afastadas em uma largura um pouco maior do que a entre os ombros.

Flexione os cotovelos e desça o corpo devagar, até o peito encostar no chão.

Erga as mãos e os pés e dê uma breve pausa. Retorne para a posição inicial.

Abdominal grupado

Sente-se no chão. Apoie as mãos no solo ao lado corpo e erga as pernas. Incline o tronco para trás e estenda as pernas para a frente.

Depois, mova o tronco para a frente e ao mesmo tempo flexione os joelhos, aproximando-os do peito. Repita o movimento sem parar.

Fonte: www.uol.com.br

Se exercitando na quarentena2020-05-27T21:19:14-03:00

Crianças na Quarentena

Quando o assunto é como lidar com as crianças na quarentena, muitos pais estão se descabelando por conta da suspensão das aulas como uma medida para ajudar a conter a disseminação do coronavírus.

Por mais que algumas escolas estejam enviando atividades para serem realizadas em casa, não há como negar que a rotina mudou completamente.
Os contextos são muito diversos. Algumas famílias vivem em residências muito pequenas, de apenas dois cômodos, o que acaba afetando bastante a convivência.

Em outros casos, as mães precisam trabalhar remotamente e não conseguem conciliar as tarefas pessoais e profissionais. Por fim, há também os pais que ainda precisam sair para trabalhar e não têm com quem deixar os pequenos.
E nem pense em deixar as crianças com os avós, pois como os mais velhos estão no grupo de risco não é recomendado que tenham muito contato com outras pessoas, principalmente as crianças, que às vezes podem acabar se descuidando um pouco.

Elas, por sua vez, estão acostumadas a ir para as aulas, brincar e fazer as atividades escolares, portanto, em uma situação em que são obrigadas a ficar em casa o tempo todo podem acabar ficando com energia acumulada.

Incentive a aprendizagem por meio de brincadeiras

Crianças em crescimento e desenvolvimento devem brincar, pois aprendem muito dessa forma.

Além dos brinquedos prontos, estimule a criatividade por meio de atividades mais dinâmicas, como por exemplo, plantar uma flor, fazer uma receita ou brincar com um jogo de tabuleiro.

Estimule a imaginação

Já que não se pode ir ao cinema, teatro ou passear no parque, que tal estimular a imaginação em casa mesmo?

As crianças adoram inventar histórias e o momento de quarentena é ideal para esse tipo de brincadeira.

Aproveite a mente fantasiosa do seu filho para estimular seus pensamentos e ajudá-lo a se desligar da realidade em alguns momentos.

Uma dica, por exemplo, é incentivá-lo a criar histórias e personagens em momentos em que você precisa realizar alguma tarefa ou trabalhar.

Quando tiver tempo, participe das histórias junto com ele, mas se precisar que ele se vire sozinho, apenas estimule e depois peça para ele te contar todas as suas aventuras.

Faça-o brincar sozinho

Em alguns momentos a criança vai precisar ficar sozinha (a não ser que tenha um irmão, por exemplo).

Portanto, é importante oferecer brinquedos que não exigem a companhia de outras pessoas.

Alguns exemplos são quebra-cabeças e jogos de Lego, que exigem tempo e dedicação.

Fonte:www.vittude.com

Crianças na Quarentena2020-05-26T16:52:39-03:00

Como previnir o Covid no dia a dia?

Como previnir o Covid no dia a dia?

Em Casa:

Retire os calçados antes de entrar em casa
Separe os objetos pessoais num recipiente (bolsa, carteira, óculos, celular, chaves, etc.)
Não toque em nada antes de se higienizar
Separe a sua roupa e coloque-a em uma sacola plástica, caso não possa lavar
Tome banho, se não puder, higienize todas as áreas expostas (mãos, punhos, rosto etc.)
Após o banho, higienize os objetos pessoais e lave suas mãos novamente.

Convivendo com pessoas do grupo de risco:

Dormir em camas separadas
Se for possível, utilizar banheiros diferentes e desinfetá-los com água sanitária
Não compartilhar toalhas, copos, entre outros objetos
Limpe e desinfetem diariamente, superfícies de alto contato
Lave roupas, lençóis e toalhas com mais frequência
Manter ambientes ventilados

Higienizando compras delivery:

Mergulhe as verduras e frutas em água sanitária diluída (siga as instruções do rótulo) e depois enxágue com bastante água corrente
Higienize também os produtos não comestíveis com álcool 70%
Passe álcool 70% em embalagens de alimentos que serão armazenados
Após higienizar todos os objetos, tome banho e higienize todas áreas expostas (mãos, punhos, rosto, etc.).

Fonte: www.saude.ba.gov.br

Como previnir o Covid no dia a dia?2020-05-25T14:16:25-03:00

Dicas para uma boa alimentação

Aprenda a comer um pouco de tudo

Manter uma alimentação saudável não significa ter que manter uma dieta restrita e cortar várias receitas gostosas do seu cardápio.

Alimentar-se bem é manter uma dieta equilibrada, capaz de lhe oferecer todos os nutrientes necessários até mesmo as gorduras para que seu organismo funcione de maneira adequada.

Valorize a ingestão de fibras alimentares

Boa parte dos brasileiros não garante a ingestão diária de fibras alimentares recomendada pela Organização Mundial de Saúde.

As fibras são responsáveis por várias funções importantes no nosso organismo como regular o funcionamento intestinal, os níveis de glicose e colesterol no sangue e, até mesmo, aumentar a sensação de saciedade.

Cozinhe seus próprios alimentos

A sociedade moderna tem se afastado, cada vez mais, de hábitos básicos do nosso dia a dia. Essas mudanças interferem muito na nossa qualidade de vida e, é claro, na maneira como nossa saúde se comporta.

Beba muita água

Você já parou para pensar o quanto de água costuma beber por dia? A grande maioria dos brasileiros em especial os jovens não costuma ingerir um volume satisfatório de água por dia, convivendo frequentemente com sintomas discretos da desidratação.

Conte com a ajuda de um especialista

Afirmamos, no início desse texto, que comer bem não é uma tarefa difícil, mas muitas pessoas que mantiveram hábitos alimentares irregulares por muito tempo podem não conseguir fazer mudanças eficientes sozinhos.

Dicas para uma boa alimentação2020-05-11T19:44:51-03:00

STARTUP LANÇA APLICATIVO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE

Docmedia é solução integrada de acesso à informação de ponta para médicos e demais profissionais da área
Se já é difícil para o profissional de saúde acompanhar as principais descobertas científicas, tendências, novidades da indústria farmacêutica e outras notícias relacionadas ao setor normalmente – segundo o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), um novo artigo da área médica é publicado a cada 26 segundos no mundo – imagine em tempos de pandemia e disseminação de informações falsas.
Para os médicos Guilherme Rocha, Laura Zaiden e Laura Gusman, essa sempre foi uma preocupação, afinal, vivemos numa época em que as transformações são rápidas e o tempo, curto. Pensando nisso, eles se uniram a especialistas em design e programação para criar a Docmedia, solução integrada de acesso à informação de ponta para médicos, farmacêuticos, odontólogos e demais profissionais da área.
O aplicativo estará disponível para download gratuitamente a partir da próxima semana na Apple Store e no Google Play, reunindo o que há de mais relevante em inovação em saúde num só lugar, com curadoria cuidadosa e especializada.
Uma amostra do conteúdo produzido para o aplicativo está disponível na página Docmedia no Instagram (www.instagram.com/docmedia.co ), com postagens diárias sobre estudos em andamento nos principais centros de pesquisa do mundo, as mais recentes descobertas divulgadas em revistas e publicações científicas, notícias da indústria farmacêutica e de outras ligadas à rotina médico-hospitalar, cobrindo todas as especialidades médicas.
No momento, merece destaque a cobertura rigorosa das mais importantes pesquisas sobre o novo coronavírus.
Com o objetivo de se tronar referência em conteúdo sobre inovação em saúde, atendendo a um público estimado em quase 3 milhões de profissionais em todo o país, a Docmedia faz da tecnologia uma aliada na busca por atualização constante, engrossando a lista do efervescente mercado de Health Techs, startups de tecnologia voltadas para a área da saúde, setor que cresceu 140% no Brasil em 5 anos, saltando de 160 para 386 empresas, segundo dados da Distrito Healthtech Report.
Desse montante, quase 50%, segundo a Associação Brasileira de Startups, têm como público-alvo empresas do ramo ou pacientes em potencial; poucas dedicam-se ao profissional de saúde como consumidor final, como as estrangeiras Medscape ou Science Daily.
Docmedia surge para atender este nicho de mercado, seguindo a tendência mundial de investimento em saúde digital, área que deve movimentar até US$ 379 bilhões (cerca de R$ 1,4 trilhão) em todo o mundo até 2024, segundo a consultoria Global Market Insights.
“Nossa meta é apresentar para os profissionais da área um conteúdo selecionado que aponte para onde caminha a medicina no século XXI. Nosso critério de edição é a inovação. Queremos ser fonte segura de informação de ponta para uma audiência altamente qualificada e atenta às transformações da área”, afirma Guilherme Rocha, sócio e médico.
Para mais informações, entre em contato:
Cíntia Borges: cborges@aguavivacomunicacao.com | (21) 98111-1073
STARTUP LANÇA APLICATIVO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE2020-05-07T20:18:57-03:00

Polar Técnica explica logística especial para transporte de amostras para análise de Covid-19

São Paulo, abril de 2020.

A esperada ampliação da quantidade de testes para diagnóstico de Covid-19 depende (além dos kits de testagem) de ampla estrutura logística e volume de embalagens especiais para transporte de material biológico. Fabricante de embalagens térmicas para transporte de medicamentos e produtos diagnósticos, a Polar Técnica explica como essas caixas especiais garantem que as secreções coletadas mantenham-se nas condições apropriadas ao trabalho laboratorial, sem gerar riscos para profissionais e população durante seu deslocamento e mantendo a qualidade do material.

Segundo a Polar Técnica, os produtos utilizados nesse transporte de material biológico são:

– Linhas XPS: Caixas leves, com revestimento interno em poliestireno extrudado e excelente resistência mecânica. Dependendo do tamanho da caixa pode manter a temperatura interna estável por até 72 horas.

– Kits EPS: Kits de caixas em poliestireno expandido (também conhecido como isopor®) , com parede tripla com espessuras de 60 e 70 mm. Possui alta performance térmica e poder de assegurar a temperatura interna por até 96 horas.

– Elementos Refrigerantes Top Sek®: Produzido com tecnologia própria e exclusiva, é o único gelo espuma do mercado com embalagem especial que permite a absorção de até 90% da água de condensação.

– Caixa UN3373-B: Na categoria de transporte de materiais biológicos tidos como infectantes, como por exemplo, as amostras para diagnóstico da Covid-19, a solução contempla a Polar Bag, que é utilizada como embalagem secundária para o transporte destas amostras suportando até 95kpa de pressão.

– Tempmate® M1: Registrador de temperatura que emite relatórios em PDF automaticamente. Sua faixa de monitoramento é de -30°C a 70°C. O registrador tem capacidade de armazenamento de 32.000 medições.

O transporte de amostras para diagnóstico do novo coronavírus seguem rígidas diretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) e do Centers for Disease Control and Prevention – USA (CDC). O meio de transporte viral e os swabs (tipo de cotonete), provenientes das coletas nasofaríngeas e orofaríngeas, devem ser armazenados e transportados entre 2°C e 8°C. Sendo patógenos biológicos ativos a embalagem deve oferecer também suficiente resistência mecânica, protegendo contra eventuais choques ou impacto. Por ser um meio líquido não é necessária a proteção contra a umidade.

Em média, a empresa leva três dias para a produção desses itens. Para garantir a eficácia, as soluções de embalagens e instrumentos da Polar Técnica são qualificadas pelo Laboratório Valida, referência no mercado farmacêutico e diagnóstico, seguindo os guias da Anvisa e entidades reconhecidas internacionalmente como ISPE (International Society for Pharmaceutical Engineering ) e PDA (Parenteral Drug Association).

Em medida complementar, a Polar Técnica disponibiliza apoio e orientação para a montagem de kits térmicos, bem como esclarecimento de potenciais dúvidas surgidas durante sua utilização.

Para tanto, mantém seus canais de comunicação abertos e acessíveis para o fornecimento destas e/ou quaisquer outras informações pertinentes ao uso de seus produtos.

Desta forma, a empresa reforça seu compromisso com a mais segura e eficaz experiência no transporte de materiais biológicos.

MAIS INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA

RS Press

Tássia Lourenço: tassialourenco@rspress.com.br
Beatriz Hanna: beatrizhanna@rspress.com.br
Edson Raphael: edsonraphael@rspress.com.br
Tel.: (11) 3875-6296

Polar Técnica explica logística especial para transporte de amostras para análise de Covid-192020-05-05T18:48:42-03:00